Eroica Britannia ’17 e o amor ao Ciclismo de época

 

IMG_39EF90467B15-1

 

 

 

 

 

 

 

 

O fim de semana de 16 a 18 de Junho reuniu quase 4 mil ciclistas, além de outros prováveis 6 mil visitantes e comerciantes em torno do mega evento Eroica Britannia em Friden Grange, Peak District National Park, UK.
Todos ali ajudando a reconstruir um ambiente meio cinematográfico, surreal, mambembe e caipira que comprimia décadas de 40 a 80 sem menor cerimônia.
O ingrediente principal desse caldeirão era o amor ao ciclismo de época, onde não se conhecia cambio indexado, freio hidráulico, clips e suspas das galáxias…

Ficamos em camping estruturado com direito aIMG_7D65680CECB9-1 wifi, energia para recarregar mobile, banho quente e banheiro químico!!!
De Sábado para Domingo, dormi inquieto, com frio, mas animado para encarar a aventura.
No Domingo, o sol já acordava por volta das 5 da manhã e eu, ansioso, fui junto. A partir de 6 horas, o sistema de som começou a anunciar a largada dos primeiros ciclistas. Eram 3 categorias de distância (25, 55 e 100 milhas) separados por sua vez em grupos de 30 pois, com essa quantidade de atletas amadores, o risco de colisões na largada é grande.
Tomei um bom café da manhã com muffin de salmão (chique aqui, pop lá) e um capuccino.
IMG_11D23885BD1C-1E fui para a prova de 55 milhas, com uma linda Raleigh Competition 1979, 12V com cassete 14-25, coroa 52-42 e pneus 700 x 23 alugada na Glory Days. Glory Days – Vintage Bikes
Larguei animado com jersey de lã, sapatilha sem clip, pedaleira (firma pé para os mais jovens) e sem capacete, buscando ser o mais autêntico possível.
Ao passar pela largada com meu número 3397 o locutor gritava: “here is a guy from Brazil!!!”. Por alguns segundos me senti um mico-leão-dourado! Mas passou logo…

A prova foi maravilhosa, sem grandes perrengues: nenhum pneu furado, nenhum tombo, nenhuma indisposição… No entanto, percorrer quase 100k nas condições dos ciclistas de 5 décadas atrás, é sempre um desafio.
Pedalar ao sol com jersey de lã, mesmo com temperatura agradável de 26°C é um pouco incômodo. Além disso, me doíam também as solas dos pés, já na metade do percurso. Na falta de uma boa sapatilha de época, que custa mais de 100 euros, muitos adaptam sapatênis no sapateiro do bairro colocando solado de madeira. Foi meu caso. A adaptação passa na estética mas não na funcionalidade.
Levei chocolate amargo com sal marinho (sensacional!) e água. Nenhum carb gel, BCAA ou maltodextrina. Nos pontos de controle serviam bananas, salsichas, doces (doces demais), limonata Sanpellegrino e cerveja local (dopping autorizado). E durante o percurso ingeri uma centena de insetos voadores que complementaram a alimentação proteica.

IMG_06D6D9038BAD-1
A rota, com altimetria acumulada de 1.500 mts, não tinha nenhuma subida “casca grossa”. Ainda assim, tem que estar em forma para escalar com relações mais pesadas (mínima = 42 x 25). A turma que só treina MTB sofre mais ou empurra a bike.

As estradas eram lindas, cortando pastos com vacas e ovelhas e, com com mais da metade do percurso em terreno de terra. Muito bacana rodar com 23 liso nesse “gravel” macio. E o ruído do contato dos pneus na “strade bianche” é a melhor playlist da aventura.

Tive a oportunidade de emendar viagem a trabalho para participar do evento. Não é fácil organizar uma viagem específica para isso. Mas valeu super a pena viver de verdade o ambiente de uma grande Eroica.
Bucket list – checked (com louvor)!

https://www.strava.com/activities/1043358382

https://www.relive.cc/view/1043358382

 IMG_83E058741FF5-1

Um comentário sobre “Eroica Britannia ’17 e o amor ao Ciclismo de época

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *